Por que você se foi?

Tempo de leitura: 3 minutos

Eu olho para o lado e tento não acreditar que você se foi. Minha cama está tão vazia, tão grande e tão arrumada… Lembra que eu sempre dizia que era você quem fazia a maior bagunça? Agora eu não sei se grito ou se bagunço seu lado da cama, não sei se jogo todos os lençóis no chão, ou se eu mesma me jogo no chão, eu só sei que não consigo dormir, não consigo ficar na mesma cama que um dia você ocupou ao meu lado, não consigo ficar sem você aqui. Essa dor é insuportável e piora cada segundo que passa.

Às vezes, vou na cozinha e fico olhando àquelas comidas enlatadas que você gostava, não sei como conseguia comer aquelas coisas, só de cheirar eu já sinto ânsia. Mas, eu não joguei fora, as latas estão lá do mesmo jeito, talvez eu ainda queira acreditar que você vai voltar, até a que já estava aberta eu a deixei no mesmo lugar. Está doendo, você era o meu amor, meu suporte, meu amigo, meu apoio. Está doendo muito e eu não consigo suportar essa dor.

Eu sei que se você estivesse aqui estaria fazendo alguma gracinha para me fazer sorrir, mas eu sem você não sou nada, grande parte de mim foi enterrada junto com você e a outra parte não para de sentir sua falta. Eu fico me culpando por cada briga que tivemos, cada discussão por coisas pequenas e bobas, cada vez que eu não te deixei dormir na cama comigo, cada vez que eu dizia algo ruim sobre você… Eu tenho vontade de voltar no tempo e desfazer todas aquelas coisas, eu tenho vontade de voltar no tempo pelo menos pra viver só mais um segundo com você.

Infelizmente a vida é cheia de encontros e despedidas, estou tentando conviver com a saudade, conviver com o silêncio que você deixou… Fico olhando as nossas fotos e revivendo nossos momentos, fico refazendo os seus passos, sua rotina, fico olhando as coisas que você mais gostava de estar perto, como aquela poltrona que minha mãe me deu há três natais atrás… Era a sua preferida, você lembra? Não deixava ninguém sentar nela e sempre que chegava alguma visita eu já tratava de avisar, nas vezes que eu esquecia, você faltava me comer com os olhos e quando a visita ia embora eu já sabia que ia brigar comigo. Você sempre foi muito ciumento com as suas coisas, né? Meu bobo ciumento!

Sabe… Hoje olhei as estrelas no céu, suspirei bem fundo e quis me convencer que alguma delas é você, tem que ser você, tem que ser. Sempre quando saio e o vento toca meu corpo, eu penso que foi você quem enviou aquele vento para a minha direção e que você olha por mim aí de cima. Eu até penso que você implica comigo ou que rosna quando algum homem se aproxima de mim. Bredy… para o resto das pessoas do mundo, você era só um cachorro, mas para mim… Bom, você sabe… para mim você era minha família, para mim você é da família. Eu sinto que preciso me desapegar das suas coisas, para que eu possa seguir em frente, mas eu nunca vou desapegar de você e quero que saiba que onde você esteja, a mamãe te ama. Quem é o garotão da mamãe? Quem é? Sim… É você, Bredy! Meu Bredy, meu filho, meu amor… descanse em paz, querido!


MÚSICA TEMA: IT ALL RUNS TOGETHER – EMMA MOTH

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *