Eu deveria tê-la amado mais

Tempo de leitura: 5 minutos

Eu descobri que perder você foi a coisa mais difícil da minha vida e cheguei a conclusão que eu deveria tê-la amado mais. Eu deveria ter cuidado mais de você e deveria ter te dado ouvidos quando você tentou lutar pelo nosso amor.

Eu deveria ter percebido que estávamos morrendo, que nosso amor estava acabando ou que pelo menos eu estava destruindo o seu amor por mim. Eu deveria ter pausado o tempo, reavaliado a situação e criado uma nova brecha ou um novo tempo para nós, ou ainda, eu deveria ter dito que você era a pessoa mais importante da minha vida, mais do que ter dito, eu deveria ter demonstrado isso.

Você não vai acreditar, mas eu fico revendo suas fotos, nossas fotos, eu fico olhando para a tela do computador e vendo suas fotos atuais, depois que você partiu. Você parece tão bem, tão jovem, tão linda. Como se de certa forma eu sugasse toda energia vital que havia em você, como se eu apenas te puxasse para baixo e te fizesse habitar num abismo ao meu lado, eu me sinto mal por tê-la feita de refém durante longos anos de nossas vidas.

Mas, sendo um pouco egoísta, eu queria ter você comigo novamente. Não para aprisioná-la de novo numa masmorra e jogar a chave fora, mas para te mostrar que eu também sei viver e para que soubesse que eu não sou mais quem eu um dia fui. Pelo menos eu tento não deixar nem a sombra daquele outro ser se aproximar de mim.

Há tanta coisa que eu deveria ter feito com você e por você. Por exemplo, a gente deveria ter viajado juntos, só nós dois, num cruzeiro marítimo ou numa excursão qualquer. Mas, eu sempre me queixava de não ter dinheiro e você queria tão pouco de mim, nunca me pedia nada, nunca exigia nada além da minha presença ou nada além do que eu poderia te ofertar.

Eu deveria tê-la levado ao Subway mais vezes, você amava isso. Ou deveria ter ido mais vezes no cinema, fomos tão poucas vezes e eu nem consigo me lembrar quais foram os filmes que nós vimos. Eu tenho certeza que você se lembra, sempre foi boa em guardar datas e essas coisas, você até me ensinou que existe dia da sogra, só você mesmo. Ou… Talvez não se lembre mais de nada, talvez não queira se recordar, enquanto eu passo os dias me queixando por não ter tido mais de você, talvez você passe os seus agradecendo por ter se livrado de mim.

Há tempos que quero te escrever, mas quase nunca tenho coragem e se tenho, logo desisto porque as lágrimas molham o pedaço de papel que acaba se rasgando ao ser pressionado pela caneta, fora que a tinta fica toda borrada em diversos pontos. Mas, nas poucas vezes que eu seguro as lágrimas e não choro, fico pensando nas diversas reações possíveis suas ao receber minha carta, isso é, se a receber.

Talvez você a ignore ali mesmo na caixa de correio, talvez você a queime antes mesmo de abrir, talvez você até leve para sua casa, mas deixe em cima da mesa ou num canto qualquer, até que ela seja completamente esquecida e jogada no lixo por alguém da sua residência que leu meu nome no envelope e soube que você estava indecisa se deveria abrir ou jogar fora. Ou, talvez você até abra a carta, leia, mas não esboce reação alguma e talvez, como uma das últimas hipóteses, você a leia e queira me encontrar, mas desse encontro podem surgir centenas de outras situações.

É difícil não saber de você e é difícil saber que é você quem quer manter essa distância. Como se nossa história nunca tivesse acontecido ou como se você a todo custo quisesse esquecê-la. Meus dias tem sido doídos. Eu sinto dores na maioria do corpo mas com uma ênfase maior na coluna, tenho insônia, medo, tristeza profunda, talvez eu esteja em depressão, vivo num efeito sanfona de engordar e emagrecer, estou com muitos cabelos brancos, talvez a grande maioria das laterais, me sinto um velho completo, vejo a vida passar diante dos meus olhos e não consigo sequer participar de uma só cena, eu apenas observo e observo sem me arriscar num único movimento voluntário.

Há um tempo atrás eu estive perto da sua casa, estava no carro de um amigo na ocasião. Pedi a ele que passasse em frente a sua casa, duas vezes, eu tinha esperança de te ver, ou pelo menos ver alguém da sua família, não sei porque, mas tive a impressão que se visse alguém que mora na sua casa, mesmo que fosse um dos seus sobrinhos, isso iria amenizar a imensa saudade que tenho de você, mas não obtive êxito, tudo que pude ver foi o portão fechado e percebi que ele foi pintado desde a última vez que estive ali.

As vezes não dá pra acreditar que se passaram tantos anos. E eu não sei se você se casou, se tem filhos, se alguma parte de você, mesmo que seja uma pequena parte, pensa em mim ou me quer de volta. As vezes fico pensando como tudo seria diferente se eu tivesse sido melhor. Um homem melhor, um namorado melhor e um esposo melhor. Talvez eu nunca saiba de fato essas respostas, mas eu tenho duas certezas nessa vida. Uma é que eu descobri que perder você foi a coisa mais difícil da minha vida e a outra é que tenho a plena convicção que eu deveria tê-la amado mais.


MÚSICA TEMA: EPITÁFIO – TITÃS

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *