Amor

Felicidade com Canela - Franklin S. Carter

4 minutos Todo dia eu acordava pontualmente às cinco e quarenta e cinco da manhã para observar os pássaros. Eles voavam alegres para o pé de mangueira que ficava em frente à minha janela. Eu gostava de os observar bailando no céu, livres, felizes e cantarolando suas belas canções. Quando enfim sossegavam e cada um repousava em seu galho, eu caminhava em direção a cozinha para preparar o café. Ela gostava do dela com canela, engraçado que só me dei conta agora que nunca Continue lendo

Cadeira Vazia - Franklin S. Carter

13 minutos – Já fazem muitos anos que eu não piso aqui. – É, eu sei disso. Acho que ela ia querer que ficasse com isso. – O que é isso? – São as anotações dela. – Anotações? Ela nunca me disse que fazia anotações. – Como você mesmo disse, Ricardo, já fazem muitos anos que você não pisa aqui. 10 ANOS ANTES – Vamos, mamãe, ou iremos nos atrasar! – Não seja apressado, Ricardo. A festa só começa daqui a uma hora. – Continue lendo

A Grande Colheita - Franklin S. Carter

20 minutos Os tratores se preparavam para o serviço. Havia pelo menos seis deles, de todas as formas, cores e tamanhos. Tinha até um em miniatura que era operado por Daniel, o filho caçula de Seu Eustáquio, dono da Fazenda Repolhos (não me pergunte por que a fazenda tinha esse nome, por mais que eu também tivesse muita curiosidade em saber, nunca cheguei a perguntar). Apesar desse nome, a fazenda produzia milho e trigo. Essa época do ano era muito festejada na região — Continue lendo

Final alternativo - Franklin S. Carter

6 minutos – Afaste-se, eu vou pular! Disse uma voz feminina trêmula e medrosa. Ela tinha treze ou quinze anos, não mais do que isso. Cabelos curtos, um pouco acima dos ombros, a pele de tão branca chegava à mostrar as veias de seu corpo. Estava magra, muito magra, como se não comesse há dias; mesmo estando vestido de uma blusa de frio era possível ver o desenho de suas costelas, seus braços estavam pingando sangue, ela já tinha tentado um método diferente antes, Continue lendo

A Bicicleta Vermelha - Franklin S. Carter

20 minutos – Feliz aniversário, meu amor! – Ah, Otávio! Você se lembrou?! Mesmo após todos esses anos, você ainda se lembra e continua me surpreendendo. – Como eu poderia esquecer? Você é o amor da minha vida! – Você também é o amor da minha vida, Otávio. Meu único e verdadeiro amor. – Preparada para a surpresa? – Ainda tem mais surpresas? – Sim, são mais duas surpresas, uma agora, e a melhor de todas, no final. Afinal, só se faz cinquenta anos Continue lendo

5 minutos Eu descobri que perder você foi a coisa mais difícil da minha vida e cheguei a conclusão que eu deveria tê-la amado mais. Eu deveria ter cuidado mais de você e deveria ter te dado ouvidos quando você tentou lutar pelo nosso amor. Eu deveria ter percebido que estávamos morrendo, que nosso amor estava acabando ou que pelo menos eu estava destruindo o seu amor por mim. Eu deveria ter pausado o tempo, reavaliado a situação e criado uma nova brecha ou Continue lendo

9 minutos – Você fez um pedido? – Ah, qual é, Caio! Você sabe muito bem que eu não acredito nessas coisas. – Deveria. – Ah, é?! Por quê? – Porque foi por causa de uma estrela que eu conheci você. 10 ANOS ANTES… – O que é isso na sua mão, meu filho? – É um sapo, mamãe! – Um sapo? Onde conseguiu isso? – O vovô que me deu. – Tenho que conversar seriamente com seu avô. Deixe o sapinho ir e Continue lendo

8 minutos Guárpade’s era uma pequena província localizada no distrito de Trunmeron no país de Mnaechk Zwalok. O lugar sempre fora governado pela família dos Trumureus, sendo Kamaio, o septuagésimo sexto rei. Era comum nessa época do ano promover o baile de Guárpade’s para comemorar a fartura e o poder de Guárpade’s. Nesse ano, porém, o baile teria algo especial, pois o rei iria escolher dentre todas as donzelas presentes, àquela que seria sua rainha. Então, nobres de todo o país prepararam suas filhas para que pudessem estar bem apresentadas na corte do rei. Alguns nobres, Continue lendo

6 minutos Oi… eu não sei se é a primeira, segunda, quinta, sétima ou última vez que você vê esse vídeo, mas independente de quantas vezes já o tenha assistido, sempre que vier aqui, esse vídeo vai falar com você de uma maneira totalmente nova, como se em todas elas eu estivesse aí, sentado ao seu lado e falando cada uma dessas palavras no seu ouvido. Você está com quantos anos agora? Treze? Quinze? Vinte e três? Uau… quarenta e cinco anos? Você cresceu Continue lendo

Eu vou amar você pra sempre - Franklin S. Carter

3 minutos Você sabe que eu só tenho cinco aninhos e que ainda não sei escrever, mas pedi ajuda ao papai, para que ele escrevesse tudo que estou falando para você. Hoje de manhã, eu fui ao jardim da mamãe e colhi uma flor, a mais bonita que encontrei lá. Ela era uma rosa branca, achei que ia combinar com a cartinha. Sabe aquele perfume que a mamãe passa em mim e que você gosta? Eu estou usando ele agora e também o passei Continue lendo